7.9.10

Sol em Libra. Vênus em Escorpião.

Amor. Ignorância de qualquer coisa que possa parecer racional, se pensa, mas isso não quer dizer que se faz o que se pensa, ou que se considere sobre isso. À noite dois corpos se juntam, se amam, se apertam e gozam, pensam em como a vida é perfeita e como ali, daquele jeito, a vida não tem problemas. De manhã, eles separam, com mau hálito mas ainda sorrindo e dizendo bom dia, o sexo acabou, mas resta carinho, as últimas gotas dele. À tarde já não há mais nada. Nem bom dia, nem sorrisos, só um pouco de inquietação, alguma incerteza. Não se sabe se faz duas horas ou dois anos que se está perto daquela pessoa, tanto faz, não se quer mais perto. Vem a vontade de ficar sozinho, de copular com o egocentrismo, numa pseudo-auto-suficiência. Corta-se a si mesmo e sente-se prazer. O auto-flagelo é confortante, porque pára quando der vontade.
Dúvida. Elas crescem, crescem e crescem. Como as hidras, elas se reproduzem através de brotamento, geometricamente aos milhares. Não se sabe que horas são, se horas existem, ou o que é existir. O poço de contradições se enchendo, o saco se enchendo. Era tanta coisa, tanta coisa pra falar, pra escrever. Agora não é nada. Por que? As dúvidas de novo. São monstros que estão em qualquer lugar, atacam a todo momento, mas mesmo assim surpreendem. Os sintomas são excesso de vícios, loucura pós-parto(da dúvida), ou inanição(do pensamento). Se algum desses casos forem diagnosticados, corra o mais rápido que puder, não olhe pra trás e nem pense em pensar.
Amor e Dúvida. Dois monstros mitológicos devoradores de homens. Quando atacam em conjunto é devastador. Fica difícil entender se é pra ir ou pra voltar. Se o sorriso é bom ou é falso. Se o olhar blasé é charme ou escarro. Se sentar longe é sinal de timidez ou desprezo. Se é nojo ou admiração. Ou mais um infinito de hipóteses duvidosas. Não dá pra entender, não dá pra pensar, só engolir. E no ato de engolir, a boca fica cheia, a barriga dói. Fala-se qualquer merda, por não saber o que falar, e de um jeito estranho porque o desconforto destrói. Seleciona rigorosamente cada palavra na cabeça, pra dizer uma coisa enrolada e mal-feita, que era a única coisa que não deveria ser dita. Provoca arrependimentos, pesares e mágoas. Uma sensação de inexistência de qualquer coisa melhor que nada. Fica-se forçado à complacência, à decepção que precede a aceitação de qualquer lixo que lhe é empurrado. Duvida-se de si mesmo, dos outros, da outra, da vida. Na verdade, a dúvida fica imperando sobre qualquer coisa que existe. Não há escolhas boas, então não há escolhas. Se faz achando/sabendo que está errado, quando na verdade está certo. E se acerta errando, quando na verdade, está errado. Chega uma hora, que os corpos se juntam à noite tendo certeza que à tarde serão separados. Porque a dúvida é angustiante, tirando o bom do mistério. O amor faz o papel de carrasco, deixando a vítima ainda mais pra baixo. Não se quer nada, porque nunca se sabe se alguma coisa existiu.
-
Se alguém ter paciência pra ler isso, não leia. Espero, de verdade, que ninguém se identifique com o texto.

14 comentários:

  1. Se você acha que o amor é um relógio de areia, que se esgota no fim do dia... (isso se confirma em "mas resta carinho, as últimas gotas dele. À tarde já não há mais nada.")
    Um comentário idiota.

    ResponderExcluir
  2. Me relacionei com uma mulher de sol em libra e vênus em escorpião. Entendi quando nada 90% do texto. Parabéns :)

    ResponderExcluir
  3. Eu me identifiquei, sou libriana com Vênus em escorpião então tenho amor, mas também as dúvidas,com as dúvidas vêm os medos, com medos vêm a solidão,pois morro de medo de sofrer e para não acontecer isso tenho uma atitude bem radical que é o afastamento.

    ResponderExcluir
  4. Eu me identifiquei, sou libriana com Vênus em escorpião então tenho amor, mas também as dúvidas,com as dúvidas vêm os medos, com medos vêm a solidão,pois morro de medo de sofrer e para não acontecer isso tenho uma atitude bem radical que é o afastamento.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Me identifiquei completamente. Caramba, não sou só.

    ResponderExcluir
  7. Sou libriana com Vênus em escorpião. E sinceramente, to chocada! Queria não ser eu a pessoa que se identificou com esse texto.

    ResponderExcluir
  8. Sou libriana com Vênus em escorpião. E sinceramente, to chocada! Queria não ser eu a pessoa que se identificou com esse texto.

    ResponderExcluir
  9. sol em libra e vênus em escorpião... É tipo eu.

    ResponderExcluir
  10. sol em libra e vênus em escorpião... É tipo eu.

    ResponderExcluir
  11. Me relacionei com um libriano com ascendente em escorpião, infelizmente, é isso. :/

    ResponderExcluir